1 Setembro, 2017

“A situação educativa no Porto é desafiante”, considera Joaquim Azevedo

Com um currículo invejável na área das ciências educativas, Joaquim Azevedo apresentou nas Conversas à Porto o seu diagnóstico sobre a Educação no Porto. Certo de que as desigualdades sociais manifestam-se, desde logo, no campo educativo, entende que o trabalho nesta área só é fortalecido se houver descentralização de competências.

Ler Artigo Completo

Partilhar

“Por descentralização, não entendo municipalização”, explicou à audiência Joaquim Azevedo. Para o Professor, que no início da sua intervenção referiu não ser apoiante de nenhuma candidatura à Câmara do Porto, o modelo de governação local para a educação deve ser pensado à escala metropolitana.

Mas concentrando a sua intervenção sobre o município do Porto, o Professor alertou para os problemas de abandono e insucesso escolar, de delinquência e marginalidade, que persistem nas escolas da cidade, a que não é alheio o facto de seis por cento da população estudantil estar sinalizada pela CPCJ. Estão, portanto, identificadas diferentes manchas urbanas que se devem trabalhar com intensidade, sobretudo ao nível da intervenção pedagógica.

Lamentando que a própria escola pública tem, paradoxalmente, “gerado exclusão social”, para Joaquim Azevedo há medidas que podem transformar o actual quadro. Desde logo, o aumento da responsabilidade e do grau de comprometimento de todos os participantes do projecto educativo. O Professor não aspira que o Porto se torne no Farol Mundial da Educação, mas quer ver uma cidade “mais inclusiva” no contexto escolar.

SETE MEDIDAS PARA UMA ESCOLA PÚBLICA MAIS INCLUSIVA

Como tal, Joaquim Azevedo propõe mais cooperação, notando que, actualmente, o Conselho Municipal da Educação é “demasiado formal e administrativo”. Salientou o Professor, que a solução passa por fomentar o diálogo entre todos os agentes educativos. Em segundo, o investigador enunciou o desenvolvimento do trabalho em rede, em que todos se integrem (pais, alunos e professores), salientando que a participação “dos alunos é decisiva”.

Crítico da escolaridade obrigatória até aos 18 anos, Joaquim Azevedo propõe uma lógica de “empoderamento e de capacitação” da sociedade educativa. Como bom exemplo, referiu o programa municipal Porto de Futuro, embora considere que “é preciso dar mais força a estas dinâmicas” de aprendizagem. Na sua opinião, é igualmente necessário ter um projecto sustentável, que descreve como “um trabalho duro”, mas perfeitamente alcançável no Porto, “do ponto de vista do capital humano e técnico”.

Por via da avaliação participada é possível uma melhoria contínua dos projectos em curso, evitando que se tornem meros “relatórios de gaveta”. A concepção de um projecto de desenvolvimento da educação, “construído pela população e pelos diversos sectores sociais” é outro dos aspectos a considerar, defende o Professor.

Certo de que o Porto está na moda, “e que isso é bom por todas as razões”, o Professor Joaquim Azevedo entende que esta realidade não pode branquear a exclusão social que ainda existe. Como sintetizou, o envolvimento da sociedade no contexto escolar e o reforço das competências dos municípios, devem ser os pontos de partida para uma melhor Educação.

Esteja a par das novidades
do nosso Porto nas redes

O meu Partido
é o Porto

×

Eu Quero Ir

×

Quer ser convidado para as acções de campanha de Rui Moreira?
Faça parte do grupo de cidadãos independentes nesta caminhada até dia 1 de Outubro.

Preencha os seus dados em baixo

Eu Quero Ajudar

×

Quer ser voluntário na campanha de Rui Moreira?
Indique-nos a sua disponibilidade e será contactado.

Preencha os seus dados em baixo

Eu Quero Doar

×

Quer participar financeiramente para esta campanha?
Envie-nos os seus dados e entraremos em contacto consigo para lhe explicarmos como pode fazê-lo.

Preencha os seus dados em baixo

Eu Quero Falar

×

Dê a cara pelo seu Porto. Grave um vídeo com a sua opinião (pode ser com o seu telemóvel), carregue-o no Youtube ou Vimeo e envie-nos o link, depois de nos deixar os seus dados. Ao fazê-lo, autoriza a candidatura a usar partes ou o todo para publicação no site e redes sociais. Para falar com o Porto é por aqui.

Preencha os seus dados em baixo