20 Setembro, 2017

“A cidade passou a sorrir e acredito que vai continuar a sorrir”, diz Hélder Sampaio

Hélder Sampaio tomou a palavra no final da prestação de contas de Rui Moreira, começando por se apresentar às centenas de pessoas que se encontravam na sede de candidatura independente. Colaborou no programa eleitoral da primeira candidatura de Rui Rio à Câmara do Porto e há 15 anos estava afastado da participação política.

Ler Artigo Completo

Partilhar

Aquando da primeira candidatura de Rui Rio à Câmara do Porto, lembrou Hélder Robalo, “a única entidade da cidade que teve coragem de lhe abrir as portas foi a Associação Comercial do Porto” (na altura era Rui Moreira presidente da Associação). Um acto de coragem e de fazer a diferença que “foi uma pedra no charco”.

Depois, quando Rui Rio ganhou as eleições e, quando algum tempo depois, verificou Hélder Sampaio que o próprio programa cultural que tinha gizado com Paulo Rangel não estava a ser cumprido, admitiu que se “sentiu dividido entre a razão de acudir aos mais frágeis, adoptada pelo presidente da Câmara e a anulação completa das questões culturais”.

Afastado da política há mais de uma década, o antigo membro do Conselho de Administração da Casa da Música explicou que, chegado ao final do terceiro mandato do antecessor de Rui Moreira, entende que a “cidade crescia, mas era uma cidade triste”. Para ele, o Porto era gerido de “uma forma excessivamente pragmática”.

”QUANDO ESTÁ TUDO BEM, NÃO SE MEXE”

“Que chatice haver eleições outra vez”, brincou Hélder Sampaio, esclarecendo que não se referia como chatice ao momento democrático eleitoral. Mas, entende, quando tudo está bem não se mexe. E, acredita, que na globalidade os portuenses pensam da mesma forma. Por isso acha, convictamente, que a cidade vai continuar a sorrir.

Apontando a sua avaliação para os adversários de Rui Moreira, disse Hélder Robalo que tirava o chapéu a Rui Moreira por em em nenhum debate ter confrontado Manuel Pizarro com a obra dos bairros sociais: “Foi obra sua ou obra nossa?”.

“DEPOIS DO GALOPAR DA PORTO 2001, A CIDADE PARECE QUE TEVE UM SÚBITO ARREPENDIMENTO DE SER FELIZ”, DISSE RUI MOREIRA

Aproveitando as palavras de Hélder Sampaio, Rui Moreira lembrou que no seu livro “Uma questão de carácter”, já dizia que a cidade, após a Porto 2001, parece que teve arrependimento de sonhar. “Um tempo de ressaca”, enunciava um dos seus artigos.

O paralelismo também se faz com o presente. “Quando as pessoas têm medo do futuro, do turismo”, do crescimento da cidade até, podemos depois voltar ao que éramos, advertiu.

No final Rui Moreira disse que acredita ter dado provas suficientes de que a coesão social não é incompatível com a cultura. “Bem pelo contrário. Porque é a cultura que vai permitir tirar pessoas deste ciclo. É, sem dúvida, a melhor cura”, rematou.

Esteja a par das novidades
do nosso Porto nas redes

O meu Partido
é o Porto

×

Eu Quero Ir

×

Quer ser convidado para as acções de campanha de Rui Moreira?
Faça parte do grupo de cidadãos independentes nesta caminhada até dia 1 de Outubro.

Preencha os seus dados em baixo

Eu Quero Ajudar

×

Quer ser voluntário na campanha de Rui Moreira?
Indique-nos a sua disponibilidade e será contactado.

Preencha os seus dados em baixo

Eu Quero Doar

×

Quer participar financeiramente para esta campanha?
Envie-nos os seus dados e entraremos em contacto consigo para lhe explicarmos como pode fazê-lo.

Preencha os seus dados em baixo

Eu Quero Falar

×

Dê a cara pelo seu Porto. Grave um vídeo com a sua opinião (pode ser com o seu telemóvel), carregue-o no Youtube ou Vimeo e envie-nos o link, depois de nos deixar os seus dados. Ao fazê-lo, autoriza a candidatura a usar partes ou o todo para publicação no site e redes sociais. Para falar com o Porto é por aqui.

Preencha os seus dados em baixo